Jornal Valor Econômico – O joalheiro das estrelas

Jornal Valor Econômico – O joalheiro das estrelas
21 de fevereiro de 2019 zweiarts

Jornal Valor Econômico – O joalheiro das estrelas

Renomado designer de joias reconhecido por vestir as pessoas mais cobiçadas do mundo da moda e da música, Ara Vartanian já conquistou Kate Moss, Naomi Campbell, Liv Tyler, Blake Lively, além dos guitarristas Ronnie Wood e Keith Richards e a cantora Madonna – em 2016 escolhida pela revista Billboard como Mulher do Ano, optou na ocasião por joias Ara Vartanian para receber o prêmio: o poderoso Anel de dois dedos de Rubelita com Diamantes negros invertidos e brancos, peça única da marca, que foi destaque nas mídias sociais mais importantes do mundo.  “Tenho uma forma de expressão que se comunica com vários tipos de pessoa. Dos Stones a Kate Moss, e que inclui uma senhorinha clássica de 60 anos que chega de tailleur.”

Com abertura de sua loja em Mayfair, Londres, o designer atraiu ainda mais olhares para a sua marca, sua maior intenção, e diz: “estou mostrando que no Brasil existe luxo sim.”

Tudo começou há alguns anos atrás, no dia que decidiu fazer um anel para uma pedra, ainda enquanto trabalhava apenas comprando pedras na empresa do pai, e entendeu qual seria seu ofício. Como relata ele à jornalista “A compra de pedras envolve emoção”. Ara também se compara a um chefe de cozinha que vai em busca de ingredientes. Sua procura é pelas pedras. Compra a pedra com olhar de atacadista e diz nunca saber, necessariamente, o que vai fazer. Toda a estrutura de suas joias é criada ao redor da pedra. As peças são feitas a mão, numeradas, e muitas são únicas, revela o designer. Sobre sua ideia de inverter o diamante negro, tudo começou com ele mesmo se perguntando por que ninguém tinha feito nada assim, virado o diamante ao contrário, com o bico para cima. Além da ousadia ao criar peças como essa, Ara tenta trilhar uma busca permanente por conforto e anatomia. É o caso dos anéis articulados ou dos de dois e três dedos, que propiciam a colocação de pedras grandes.

Sobre suas outras paixões, montar e desmontar carros e motos antigas, o designer conta que “essa atividade serve para refrescar a cabeça. Às vezes chego a um impasse com a criação de joias e preciso espairecer. A mudança de foco para a restauração de uma moto, por exemplo, ajuda a desanuviar e a esquecer a frustração momentânea”.